Menu

LOGOMARCA AP 35 B

Depois de dois dias de seletiva do júri, a Fundação Romulo Maiorana anuncia os 18 artistas selecionados para a 35ª edição do Arte Pará. A curadoria especializada, formada por Marcelo Campos, do Rio de Janeiro, Walda Marques, de Belém, e o curador geral, Paulo Herkenhoff, também do Rio de Janeiro, julgaram os 307 trabalhos inscritos de todo o Brasil.
Cada artista selecionado vai receber uma gratificação por participação de R$ 1.200. A exposição ocorre entre os dias 6 de outubro e 6 de dezembro, no Espaço Cultural da Casa das onze Janelas e no Museu da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Segundo a curadoria, o público pode esperar do Arte Pará 2016 uma diversidade de linguagens artísticas, como pintura, escultura, vídeo, instalação, fotografia e gravura. Também haverá uma consolidação da ideia da arte contemporânea brasileira.
Percebeu-se este ano uma produção muito intensa do Norte do país, além dos lugares mais tradicionais de envio de trabalhos como Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Nesta edição, sete artistas vão integrar o time de estrelas convidadas, são eles Armando Queiroz, Berna Reale, Gratuliano Bibas, Eder Oliveira, Lucia Gomes, Miguel Chikaoka e Orlando Maneschy.

O curador geral Paulo Herkenhoff explica que a seleção dos artistas foi acirrada. Isso fica evidente porque o júri teve que ampliar de 15 para 18 o número de artistas selecionados. Segundo Paulo, isso foi necessário para fazer uma curadoria consistente.
“Os artistas inscritos este ano têm muita qualidade, os eixos curatoriais foram se configurando de uma forma bem interessante. A 35ª edição vai ser limpa, bem constituída e de muita qualidade. Será bem amarrada em seus pontos que se atravessam, como, por exemplo, arte política, humanidades e a história do Pará. Será uma exposição que vem com peso bem consistente, no sentido desses atravessamentos de conversa. Isso vai se dar também pelos sete artistas convidados, pois eles vão conversar com os selecionados. Naturalmente a arte provoca essa aproximação”, explica.

ARTE NA AMAZÔNIA

Pela primeira vez à frente do time de curadores do Arte Pará, o carioca Marcelo Campos conta que essa é uma oportunidade de estar em contato com a produção do Brasil. O artista, que já possui longa trajetória como curador, conheceu uma exposição do Arte Pará há algum tempo e diz que sempre teve vontade de integrar o júri. Após dois dias de seleção, Marcelo faz uma análise dos selecionados.
“Gosto do formato salão, pois é um estímulo para você produzir coisas novas. É muito bacana perceber no Arte Pará que artistas já estabelecidos ainda têm interesse no salão, o que não configura a ideia de que o salão é só para iniciante. Percebi que de todas as regiões artistas de diversas idades querem participar. Pelo menos onde moro é um salão muito cobiçado. O Pará é um lugar de muito desejo dos artistas, sobretudo os contemporâneos”, analisa.

Aos artistas não selecionados nesta edição, a curadora paraense Walda Marques enfatiza que não há motivos para tristeza. Ela mesma, por exemplo, já recebeu muitos nãos de salões de arte. Mas, segundo a artista, isso pode se dar por vários motivos, como não apresentar bem o trabalho, por não estar madura para expor ou por não inscrever direito.
“Às vezes o curador geral vai arrumando o salão e há trabalhos que saem, pois o conjunto que forma o compreendimento do salão pede isso. Não significa que o trabalho está ruim. O salão é elaborado de forma séria, em que as pessoas julgam arte”, avalia a artista. Walda ainda elogia o Arte Pará por realizar mais uma edição em meio ao atual cenário socioeconômico do Brasil. “São 35 anos formando artistas e proporcionando um momento de troca de experiências e ideias entre artistas paraenses e os que vêm de fora. A Fundação Romulo Maiorana está de parabéns”, pontua.

O anúncio do grande vencedor, assim como dos finalistas do Arte Pará 2016 será feito na noite do dia 6 de outubro, durante o vernisage de abertura do salão, que conta com patrocínio da FIBRA e apoio da Sol Informática e da Granero.

Os 18 artistas selecionados para o Arte Pará 2016

1 – Arthur Carvalho Arnold (São Paulo)
2 – André de Sampaio Penteado (São Paulo)
3 – Bruno Senise Drolshagen (Rio de Janeiro)
4 – Daniel Moreira Soares (São Paulo)
5 – André de Libero Hauck Ferreira (Minas Gerais)
6 – Jair Junior (Pará)
7 – José Raimundo Magalhães Rocha (Bahia)
8 – Keyla Sobral (Pará)
9 – Leticia Lampert (Rio Grande do Sul)
10 – Apollo 3000 (Rio de Janeiro)
11 – João Angelini Mota Campos (Distrito Federal)
12 – Célio Celestino Almeida Cavalcante (Ceará)
13 – Ricardo Villa Gomes da Silva (São Paulo)
14 – Amador e Jandir Jr. Segurança Patrimonial (Rio de Janeiro)
15 – Victor de La Rocque (Pará)
16 – Nailana Thiely (Pará)
17 – Virgínia Paula Pinho Freitas (Ceará)
18 – Manuela Ferreira Eichner (São Paulo)

SERVIÇO
Arte Pará 2016
Exposição: 6 de outubro a 6 de dezembro, no Espaço Cultural da Casa das onze Janelas e no Museu da Universidade Federal do Pará.
Realização: Fundação Romulo Maiorana
Patrocinador: Faculdade Integrada Brasil Amazônia (FIBRA)
Apoio: Granero e Sol Informática
Site: www.frmaiorana.org.br
Facebook: Arte Pará
Instagram: @artepara2016