Menu

IMG_0261Não foram apenas os catálogos do Arte Pará que foram impressos e distribuídos no Brasil, as edições referentes aos artistas homenageados também foram, amplamente, divulgadas. Como é o caso do livro do artista paraense Paulo Sampaio, “Soldado da Borracha”, publicado em 2014, mesmo ano de falecimento do artista.
Paulo Sampaio decidiu aventurar-se no mercado das artes em 2009, quando deu início a uma série de desenhos que retratavam a rotina dos seringueiros na Amazônia. Enveredou, em seguida, para a pintura; onde manteve-se até março de 2014, quando faleceu.
Hoje, as obras do artista estão expostas no Museu de Arte do Rio (MAR). “Transamazônica” é uma das mais conhecidas. Trabalho inacabado do autor, uma metáfora sobre a realidade da rodovia que nunca foi concluída.
Texto: Fabrícia Sember
Foto: Divulgação